Atriz que fez novelas na Globo disse que beleza atrapalhou sua carreira

Musa da televisão, do teatro e do cinema nas décadas de 1970 e 1980, Monique Lafond continua envolvida com a arte, mas de outra forma.

Filha de pais franceses, nascida em 9 de fevereiro de 1954, a artista iniciou sua carreira ainda criança, participando de comerciais de TV. Aos 11 anos, apresentou-se no espetáculo Música Divina Música, versão de A Noviça Rebelde.

CONTINUAR APÓS ANUNCIAR

Seu extenso currículo no palco inclui a temporada de três anos de Os Pais Abstratos, com Darlene Glória, Glauce Rocha e Jorge Dória, e O Abre Alas, musical sobre a vida e obra da maestrina Chiquinha Gonzaga.

No cinema, entre mais de 40 filmes, destaca-se Eu Matei Lúcio Flávio, que lhe rendeu o Prêmio Air France de Melhor Atriz, e trabalha com o diretor Walter Hugo Khouri e a trupe Os Trapalhões.

papéis de TV notáveis

Coração alado

A chegada de Monique Lafond à TV se deu com a novela da Globo Os Ossos do Barão (1973). Ela também esteve em Fogo Sobre Terra (1974), Bravo! (1975) e A Moreninha (1975), antes de integrar o elenco permanente do quarteto liderado por Renato Aragão, entre 1978 e 1983.

CONTINUAR APÓS ANUNCIAR

Após passagens pelo SBT e Manchete, com Jogo do Amor e Antônio Maria, ambos de 1985, voltou à Globo para participar de títulos como Que Rei Sou Eu? (1989), Quatro Por Quatro (1994), Coração de Estudante (2002) e Paraíso Tropical (2007). No canal de Silvio Santos, atuou em Chiquititas (2013).

República do Peru

O papel mais recente de Monique em novelas foi o de Olinda, em Apocalipse (2018). Também esteve presente no primeiro “ciclo bíblico” da emissora, que incluiu A Filha do Demônio e A Sétima Bala, produzidos em 1997. Também, a série independente República do Peru (2015), exibida na TV Brasil, com Joana Fomm e Girl Francisco.

CONTINUAR APÓS ANUNCIAR

A beleza atrapalhou a carreira

Monique Lafond

Hoje com 68 anos, Monique Lafond se dedica a aulas de teatro para crianças e idosos. Ela iniciou essa atividade há cerca de duas décadas. Monique, que também é sócia de uma produtora de vídeo, falou sobre sua experiência como professora em entrevista ao Video Present em fevereiro de 2017:

“É um grande resgate, é a forma como as pessoas estão se exercitando. Hoje estou bem porque dou aula, estou me exercitando constantemente”.

O artigo também teve um desabafo. Linda, a atriz revelou que sempre sentiu que seu trabalho foi subjugado por causa de seus atributos físicos.

“Para mim, a beleza atrapalha. Existe um grau de exigência [grande sobre isso]. Todo o tempo a beleza vem na frente do seu trabalho. Eles disseram ‘Você está tão bonita’. E eu pensei: ‘Ah, esse ranho, mas e o meu trabalho?’”, confessou.

Monique, aliás, posou nua para publicações masculinas; o ensaio de maior repercussão foi o da Playboy, em 1981. Ela, porém, destacou:

“Naquela época usávamos roupas, adereços… Não eram nus explícitos”.

Leave a Comment

A note to our visitors

This website has updated its privacy policy in compliance with changes to European Union data protection law, for all members globally. We’ve also updated our Privacy Policy to give you more information about your rights and responsibilities with respect to your privacy and personal information. Please read this to review the updates about which cookies we use and what information we collect on our site. By continuing to use this site, you are agreeing to our updated privacy policy.