Brasil decepciona e é dominado pela Polônia na Liga das Nações | Esporte


Kurek não encontrou nenhuma dificuldade na redeDivulgação / FIVB

Publicado em 22/06/2022 15:10

O Brasil acumulou, nesta quarta-feira, a terceira derrota consecutiva na Liga das Nações Masculina (VNL). Em Sofia, na Bulgária, a Polónia deu as cartas, principalmente no serviço, e levou a melhor, na abertura da segunda fase, por 3 units a 1, parciais de 25-16, 22-25, 25-16 e 25- 22.

Em Brasília, uma das sedes da fase inicial, a seleção brasileira perdeu para Estados Unidos e China. E assim pode ficar fora da zona de qualificação para as finais, se a Sérvia marcar no jogo contra os Estados Unidos, no ultimate do dia.

Para o clássico, os treinadores Renan Dal Zotto e Nikola Grbic colocaram suas estrelas em quadra. Do lado brasileiro, Leal, voltando de uma lesão no joelho, foi titular. Lucarelli, outro em recuperação de um problema muscular, entrou no segundo set no lugar de Rodriguinho. Na Polônia, as estrelas Kurek, Semeniuk e Sliwka estiveram em ação o tempo todo.

Com todas as cartas na mesa, os poloneses começaram em ritmo alucinante, principalmente no saque. Com o placar em 7 a 1, Renan já havia usado seu tempo técnico. Na parada obrigatória, 12 a 5 para os atuais bicampeões mundiais. Em nenhum momento os europeus desaceleraram, com Kurek em estado de graça, enquanto os brasileiros não conseguiram entrar no jogo no tempo inicial. Um 25-16, de certa forma, assustador.

No segundo set, Renan fez a já mencionada troca entre Lucarelli e Rodriguinho. E o campeão olímpico deu mais segurança à linha de passe. Falando em recepção, Renan não fez o revezamento entre os líberos, com Maique fazendo os dois papéis. E foi no sistema defensivo que a reação brasileira começou a ser construída. O Brasil ficou a maior parte do tempo à frente do placar, pressionando os rivais, que passaram a cometer muito mais erros. Alan, como já se tornou rotina nesta VNL, foi a bola de segurança. Foram dez pontos só nessa parcial.

Os saques poloneses novamente causaram estragos. O central Bieniek fez um passe importante e fez a diferença no placar chegando a cinco pontos na parada técnica: 12 a 7. Renan moveu no meio da rede (Isac), na ponta (Adriano), no levantamento (Cachopa) ), mas a equipe não encontrou equilíbrio. Até a linha quatro para passar o técnico tentou minimizar os danos dos servidores rivais. Mas nada funcionou, com a pontuação do primeiro set se repetindo.

Thales foi a nova adição à escalação no quarto set, uma surpresa, já que Maique period um dos melhores do time. O que não mudou é o ímpeto para o saque da Polônia. Bieniek chegou ao sétimo ás e rapidamente o placar chegou a 7-1. No placar geral, 13 a 1 para os europeus. A diferença chegou a dez pontos, até uma reação brasileira, em um bom momento de Leal no saque, derrubando para dois. Se a largada não tivesse sido tão ruim, a parcial poderia ter tido um resultado diferente.

Leave a Comment

A note to our visitors

This website has updated its privacy policy in compliance with changes to European Union data protection law, for all members globally. We’ve also updated our Privacy Policy to give you more information about your rights and responsibilities with respect to your privacy and personal information. Please read this to review the updates about which cookies we use and what information we collect on our site. By continuing to use this site, you are agreeing to our updated privacy policy.