Como resistir ao chamado ‘padrão de beleza’?

Nossos corpos são construídos pelo sistema em que vivemos. Crescemos ouvindo histórias de como um corpo deve existir para ser considerado bonito e desejável. É uma das várias formas de controle social.

Por Maurício Busatto – de Brasília

Moro na Cidade Baixa, bairro poderoso de Porto Alegre (RS). Eu me sinto em casa aqui. É um lugar de subversão, de luta. Festas de rua, eventos culturais, pinturas que escalam paredes, árvores iluminadas e o melhor, uma grande diversidade de corpos circulando. Corpos de várias formas, estilos e experiências.

Cartaz em Porto Alegre (RS), no bairro Cidade Baixa, questiona padrões de beleza

No meio disso tudo, me deparo com uma frase: você não deve beleza a ninguém. Gostei. Vai contra o fluxo de tudo o que nos bombardeia. Mas não deveríamos mesmo?

Sim, não devemos. Mas estamos convencidos do contrário. Como sujeitos da linguagem, as narrativas nos constituem. Vivemos em sociedade, ela nos precede e nos molda. Como diz Foucault no livro Disciplinar e Punir, “o corpo está diretamente imerso em um campo político; as relações de poder têm um impacto imediato sobre ele; investem-no, marcam-no, dirigem-no, torturam-no, submetem-no ao trabalho, obrigam-no a cerimónias, exigem-lhe sinais”.

Nossos corpos são construídos pelo sistema em que vivemos. Crescemos ouvindo histórias de como um corpo deve existir para ser considerado bonito e desejável. É uma das várias formas de controle social. Práticas de transformação corporal, como dieta, cirurgia plástica, musculação, tatuagens, implantes, and many others., tornaram-se um sintoma do nosso tempo.

corpo desejável

“Como faço para tornar meu corpo desejável?” tornou-se a questão. Acho que talvez seja mais interessante perguntar por que apenas alguns órgãos específicos são considerados desejáveis.

Na minha clínica ouço frases como: não sou atraente, meus lábios poderiam ser maiores, meu nariz mais fino, meu cabelo está grisalho, tenho rugas, estou envelhecendo.

Consumimos e somos consumidos pelas prescrições que nos cercam.

Então eu faço uma aposta, uma aposta na palavra. É preciso apontar questões que fazem o sujeito falar, ouvir, refletir e deslocar esses sentidos petrificados da “estética perfect”.

Se fomos construídos pela linguagem, é por meio dela que se inicia o processo de desconstrução. Flexibilizando os sentidos, compreendendo como os corpos eram narrados e constituídos.

Como ser resistência ao chamado “padrão de beleza”?

E assim continuo andando pela rua, espaço de grande potência, em que o olhar é capturado por temas pintados, com contornos e adornos diversos: corpos que resistem!

Maurício Busatto, é licenciada em Psicologia Clínica e Ciências Biológicas, com mestrado em Genética e Biologia Molecular. Atualmente realiza atendimento clínico baseado no referencial teórico e ético de Jacques Lacan.

As opiniões aqui expressas não representam necessariamente a opinião do Correio do Brasil

Leave a Comment

A note to our visitors

This website has updated its privacy policy in compliance with changes to European Union data protection law, for all members globally. We’ve also updated our Privacy Policy to give you more information about your rights and responsibilities with respect to your privacy and personal information. Please read this to review the updates about which cookies we use and what information we collect on our site. By continuing to use this site, you are agreeing to our updated privacy policy.