O manejo nutricional estratégico reduz as perdas por seca

durante um secocom menor disponibilidade de forragem de qualidade, é hora de colocar em prática estratégias para manter os índices em níveis satisfatórios, como terminação intensiva, bezerro pós-desmame turbinado, conservação de forragem e produção de forragem.

Em experimentos feitos por Embrapa em parceria com a Connan, em Campo Grande (MS), foi possível obter 2,[email protected] por animal, quando comparado à suplementação protéico-energética de 1,5 kg de ração/dia.

A técnica chamada Terminação intensiva de pastagem (TIP) consiste em fornecer 90% do que o animal precisa no cocho e 10% no pasto, o que equivale a 2% do peso vivo em ração, ou aproximadamente 8 kg de ração concentrada por cabeça/dia.

O objetivo, segundo os criadores, é obter um ganho médio de 600 a 900 g de carcaça/dia, em um período de 90 dias. Na estação chuvosa e para machos castrados, a recomendação é oferecer 1,5% do peso vivo em ração concentrada.

“O TIP mede o ganho de carcaça e isso é lucro. Começamos com 0,5% do peso vivo até atingirmos os níveis atuais, tornando a solução viável e fácil de usar”, conta Leopoldo Pepiliasco, zootécnico da Connan. A tecnologia é testada pelas empresas desde 2012 e permite que o pecuarista make the most of a estrutura existente na propriedade e invista apenas em ração e suplementos para engorda.

O especialista comenta que analisou alternativas presentes no mercado, antes do TIP, como o confinamento, que possui altos custos de implantação, estrutura, mão de obra qualificada e outras restrições; e sistemas como o uso de grãos integrais, que resulta em uma dieta de alto risco, devido às condições fisiológicas do bovino, entre outros fatores.

bezerros e desmame

Outra opção para o produtor rural é ‘turbinar’ o bezerro na fase pós-desmame. Essa fase estressante para o animal aliada a pastagens com baixo valor nutricional é um ponto de preocupação. A técnica, validada por pesquisadores da Embrapa, se baseia em fornecer mais suplementação protéico-energética ao animal.

O pesquisador Rodrigo Gomes explica que é recomendada uma dieta com aproximadamente 25% de proteína bruta, palatável e rica em minerais. O bezerro recebe o equivalente a 5 gramas por quilo de peso vivo.

“É estratégico aumentar o consumo de suplementos, consumir mais energia, proteína, de Minas Gerais, aditivos de ligação, dessa forma se obtém melhor desempenho na hora do estresse, que é o desmame”, enfatiza o zootécnico. A dieta deve ser mantida até o fim da seca e o animal entra nas águas em boas condições.

manejo de pastagens

A manutenção das pastagens, com manejo adequado, também é uma estratégia para enfrentar o período. Especialista no assunto, o pesquisador da Embrapa Ademir Zimmer elenca como opções para o produtor o ajuste de lotação, adubação e diferimento de pastagens, produção de forragem e suplementos.

Em pesquisa realizada pela Embrapa Gado de Corte (MS), por exemplo, a eficiência produtiva e financeira da adubação do capim-marandu foi medida em diferentes alturas de pastejo. Aos 15 cm, o ganho de peso vivo (kg/ha) foi de 276, com saldo por kg de fertilizante de R$ 2,25 reais. Aos 45 cm de altura, o ganho foi de 524 kg/ha, com saldo de R$ 8,75 reais. Um aumento de 290% em comparação com 15 cm.

Nos valores médios de 2022, os ganhos na produção (direta), em 45 cm, foram de R$ 1,8 mil (R$/ha/ano); as decorrentes de redução de despesas (indiretas), R$ 80 reais; ganhos com liberação de área (indireta), R$ 150 reais; também há ganhos de antecipação de receitas (indiretas), que somam R$ 40 reais. O benefício whole em 200 hectares (R$/mês), na altura de 45 cm, supera R$ 34,5 mil reais, sempre com uma altura de referência de 15 cm.

Zimmer ressalta que adubar o pasto é caro, “mas vale a pena, desde que o manejo seja adequado, trabalhando nos suplementos para que o investimento valha a pena”.

Conservação de forragem

A pastagem necessita de fatores fundamentais para seu crescimento, porém, no período seco, há limitação de luz e água, e consequentemente os animais, sejam de corte ou leite, não suprem suas necessidades por completo.

Existem várias alternativas para a conservação de forragem “não existe a melhor, cada propriedade tem circunstâncias ou realidades que contribuem para a tomada de decisão”, alerta o pesquisador Vitor Oliveira da Agência de Desenvolvimento Agrário e Extensão Rural de Mato Grosso do Sul (Agraer-MS). .

O uso de capim-elefante, feno em pé, silagem (milho, cana-de-açúcar, capim, broto de mandioca) e silagem pré-seca são algumas das opções à disposição do pecuarista. Independentemente da opção escolhida, Oliveira ressalta que é preciso obter todo o potencial da tecnologia escolhida, no período chuvoso, e assim utilizá-la no período seco.

Especialistas da Embrapa, Connan e Agraer reforçam que o planejamento sempre começa na fase anterior, quando haverá seca todos os anos, por isso é importante cuidar do pasto e da nutrição do rebanho nas águas para não ter perdas na seca.

Leave a Comment

A note to our visitors

This website has updated its privacy policy in compliance with changes to European Union data protection law, for all members globally. We’ve also updated our Privacy Policy to give you more information about your rights and responsibilities with respect to your privacy and personal information. Please read this to review the updates about which cookies we use and what information we collect on our site. By continuing to use this site, you are agreeing to our updated privacy policy.